contatos Assine
Série Caso Rodin 10 anos

A vida do ex-presidente do Tribunal de Contas uma década depois da Rodin

06 Novembro 2017 23:00:00

Ex-deputado João Luiz Vargas, que mora em Porto Alegre e em São Sepé, voltou aos estudos e à política




Aos 65 anos de idade, o advogado, jornalista e político João Luiz Vargas conta que sua vida teve uma reviravolta nesses 10 anos. Apesar da imagem arranhada, o ex-deputado estadual de São Sepé, que acumulou cargos importantes na política, retornou às origens e acredita que está dando a volta por cima.

Presidente do Tribunal de Contas do Estado (TCE) na época da Rodin, João Luiz foi afastado da função. Aposentado, o advogado, que já foi prefeito de sua terra natal, líder do governo Collares na Assembleia Legislativa, presidente do Parlamento Estadual e até governador interino por durante viagem do então governador Antônio Britto, voltou aos estudos, com uma especialização na Universidade de Santa Cruz do Sul (Unisc), em fase de conclusão.

- Meu TCC (Trabalho de Conclusão de Curso) é sobre crimes eleitorais - diz João Luiz, prestes a concluir a especialização.

Além da especialização, João Luiz advoga e, no seu retorno ao PDT, percorre o Estado em campanha pela candidatura do ex-prefeito de Canoas Jairo Jorge ao governo do Estado. Ele não pensa em concorrer novamente, mas está empolgado.

 : Como vivem hoje os 22 réus do Caso Rodin
: Como está a UFSM 10 anos depois do Caso Rodin
: Fatec mudou as regras e passou a ter mais controle sobre os processos 

- Devo muito ao PDT, o PDT foi tudo pra mim - diz o ex-deputado, que se assume como admirador e seguidor do líder revolucionário Luiz Carlos Prestes, o Cavaleiro da Esperança.

No final de semana passada, João Luiz fez questão de participar da inauguração do Memorial Luiz Carlos Prestes, em Porto Alegre, ao lado de militantes históricos da esquerda e do presidenciável Ciro Gomes. A admiração pelo líder da histórica Coluna Prestes, entre os anos de 1925 e 1927 do século passado, remonta a seu tempo de juventude, quando ele chegou a participar de um grupo de prestistas.

Sobre a Rodin, que ele diz estar superando, ainda guarda mágoas e ressentimentos. Fala pouco, prefere contar sua versão em livros. Um deles - Operação Rodin: a arte de de destruir reputações - está na segunda edição. E uma segunda publicação já está a caminho.

- A Rodin nos envolveu tanto emocionalmente, mas faz parte, entendo até a função do juiz Loraci. Tenho convicção jurídica que a absolvição é inevitável por falta de provas - acredita.

 UFSM precisa de R$ 25 milhões para fechar as contas de 2017, diz reitor

O ex-deputado, que também responde a uma ação de improbidade administrativa em grau de recurso no TRF4, mora em Porto Alegre, onde tem escritório de advocacia, e em São Sepé, para onde viaja todos os finais de semana, quando não está acompanhando Jairo Jorge. É lá que ele se dedica a fazer uma das coisas que mais gosta, além da política: escrever letras para músicas nativistas,algumas inscritas em festivais.

mais sobre:

fale com a redação

quem somos
leitor@diariosm.com.br
(55) 3213-7100
(55) 99136-2472
(WhatsApp)

redes sociais
facebook
instagram
twitter
youtube

 


para assinar
(55) 3220-1717
diariosm.com.br/assinaturas

central do assinante
(55) 3220-1818
(55) 99139-5223
(WhatsApp, apenas mensagem de texto)

para anunciar
(55) 3219-4243
(55) 3219-4249