contatos Assine
Pet

Adestrador de Santa Maria explica como separar uma briga de cães

07 Dezembro 2017 23:00:00

O ideal é segurá-los sempre da metade do corpo para trás e nunca se posicionar entre os animais


Fotos Gabriel Haesbaert/

O fiscal de trânsito Régis Moreira está sempre atento ao comportamento da sua matilha. Como tutor de um dogo argentino, um pitbull, um rottweiller, um vira-lata e um doberman, ele já se acostumou com as diferentes reações de cada um.
Segundo Moreira, geralmente as brigas começam com brincadeiras que acabam irritando um dos cães.
- É difícil que brigas de cães comecem por comida ou pela posse de algum objeto. Os machos disputam território, já as fêmeas não precisam de muitos motivos. Quando a gente vê, a briga começa. Às vezes, é do nada mesmo - afirma.
Para treinar e aprender mais a respeito do comportamento da matilha, Moreira recorre às instruções de um treinador profissional. Ele comenta que cães obedecem, desde que aprendam a respeitar o tutor.
- Não é necessário bater em um animal para treiná-lo. Tenho sempre por perto uma mangueira para limpar o canil. Quando brigam, recorro à água fria. Na maioria das vezes, funciona. Aprendi ainda a segurá-los pelas patas traseiras. Mas, tem que ser firme. Se a gente soltar de imediato, eles nos mordem - acrescenta o tutor.
O treinador de cães Sérgio de Loreto Almansa é especialista em comportamento e adestramento canino. Ele explica que vários motivos podem desencadear uma briga entre cães e que o confinamento é o principal.
- Mesmo que os cães estejam em espaço suficiente para se movimentarem, se não saírem para passear, brincar e ver outros lugares e animais, irão sofrer estresse. Conheço cães grandes que vivem em apartamentos pequenos, mas são sociáveis porque seus tutores não negligenciam os horários de passeio - afirma.

Mantenha a calma
Almansa recomenda que, diante de uma briga de cachorros, os tutores mantenham a calma para não deixar os animais ainda mais agressivos. Ele explica que, como eles estão descontrolados, ter cautela é fundamental, já que cada animal reage de um jeito.

Maneiras corretas de proceder

Não toque no animal da metade do corpo para frente. É natural para o cão trocar a mordida em segundos e, neste processo, pode pegar a mão da pessoa Uma das maneiras de paralisá-lo é segurar firme pelas patas traseiras e, se conseguir, levantá-lo até tirar do alcance do outro
Toque com força entre a barriga e a coxa traseira do cão, parte do corpo também conhecida como vazio. Este gesto irá paralisá-lo
Se tiver uma guia por perto, lace o animal e o prenda enquanto controla ou retira o outro do seu alcance ou campo de visão
Jogue um cobertor no cão. Como não irá enxergar o outro e terá que se desvencilhar, você ganha tempo para terminar com a briga
Use objetos como escudo para se proteger ou bloquear o contato entre os cães que estão brigando. Pode ser uma raquete, um papelão, um pedaço de madeira, uma grade
Nunca entre no meio da briga
Não dê petiscos para apartar a briga para não premiar o mau comportamento
Em alguns casos, a água fria pode acalmar os cães. Mas atenção! Se eles estiverem acostumados com o banho frio ou brincam sempre na água, essa medida será ineficaz
Resolvido o problema, não toque imediatamente no cão machucado. Lembre-se de que o animal com medo ou dor tende a se esconder ou a reagir com agressividade. Respeite o tempo dele e chame um médico veterinário
Procure treinar o comportamento do seu cão desde que ele é filhote. Uma briga de poucos minutos tende a machucar muito o animal e deixar sequelas difíceis de identificar.

Fonte: Sérgio de Loreto Almansa, treinador de cães

mais sobre:

fale com a redação

quem somos
leitor@diariosm.com.br
(55) 3213-7100
(55) 99136-2472
(WhatsApp)

redes sociais
facebook
instagram
twitter
youtube

 


para assinar
(55) 3220-1717
diariosm.com.br/assinaturas

central do assinante
(55) 3220-1818
(55) 99139-5223
(WhatsApp, apenas mensagem de texto)

para anunciar
(55) 3219-4243
(55) 3219-4249