contatos Assine
Coluna Sociedade

Em Portugal, a mobilidade

08 Novembro 2017 00:00:00

Colunista relata seus pensamentos sobre a inexistência de distâncias e muros em tempos de internet 

Fui a Portugal, em setembro de 2015 para um compromisso na cidade de Coimbra. Na capital portuguesa (Lisboa), decidi viajar de trem até o meu destino. Minto. Na verdade, foram os amigos que me aconselharam a fazê-lo, para apreciar as belas e típicas paisagens da região.  Uma hora antes do horário marcado lá estava eu na estação Oriente.  Ansioso e tenso. E se o trem (comboio) atrasasse, pensava inquieto.  Pois bem, preocupei-me à toa. O trem chegou e saiu pontualmente na hora estabelecida. Considerei um belíssimo exemplo de respeito ao usuário.

Foto: Arquivo pessoal / Arquivo pessoal

Acredito que, por causa do nervosismo, tive dificuldade de encontrar o meu vagão ou carruagem, como lá é chamado. Depois de idas e vindas pelas carruagens, encontrei a poltrona. Sentei e olhei através da ampla janela. Suspirei relaxado.  Sentia-me pronto para apreciar a paisagem tão exaltada pelos amigos.  Mas não consegui ver nada, de imediato. Uma súbita emoção singrou do meu peito até o rosto e marejaram meus olhos.

Tempos depois, senti-me extremamente grato pelas lágrimas. Ela,s além de não conseguirem ofuscar a estonteante paisagem das colinas, das encostas, das pradarias e dos campos exuberantes que corriam através dos meus olhos, trouxeram-me à lembrança os versos do poeta Luís Vaz de Camões (1524-158):
Oh, mar quanto do teu sal são as lágrimas de Portugal ... e Verdes são os campos, de cor de limão: assim são os olhos do meu coração....

Foto: Arquivo pessoal / Arquivo pessoal

Embalado pelo contínuo movimento do trem, vieram à mente as histórias de meus antepassados e, principalmente, as raízes históricas e culturais que nos ligam a Portugal. Por isso, deixei a imaginação à solta. E com a visão dos castelos, conventos, mosteiros, ruínas e fortificações senti ser transportado para outros tempos. E estes lugares estavam tomados por cavaleiros, príncipes, reis e formosas rainhas como Inês de Castro, "a que foi sem nunca ter sido".

Bem, foi a sonoridade musical dos diálogos entre dois senhores de idade avançada, sentados ao meu lado, que me trouxeram de volta à realidade. Relatavam viagens empreendidas por cada um deles, através de inúmeros países: Indonésia, Istambul, Egito, Cuba, Argentina, Peru, Japão e mundo afora. Meditei comigo: esses viajantes, juntos, sem dúvida, parecem uma versão verbal do mapa múndi.    

Ouvi-os fazerem considerações críticas. Discursarem a respeito dos encantos e desencantos de cada lugar e apontarem soluções.  E num tom saudosista manifestarem a alegria de estarem de volta à terra natal. Ao lar.

A partir daquela convers,a entremeado de referências turísticas, pensei acerca do significado de mobilidade. Mobilidade é sinônimo de qualidade ou propriedade do que é móvel ou obedece às leis do movimento. Aprendi que o ser humano é por natureza um homo viator ("homem caminhante": aquele que viaja). Ao longo da história da humanidade, não houve desafio que o impedisse de migrar em busca de novos horizontes. 

Atualmente, as distâncias já não significam nada para nós. De um lado, os meios de transportes que percorrem grandes distâncias com rapidez e conforto (o automóvel oferece uma gostosa sensação de independência). De outro, os meios de comunicação que, com os avanços tecnológicos, nos conectam num toque com o mundo (a "locomoção virtual" da TV e da internet em tempo real ainda assombra muita gente).

Nos dias de hoje, um dos dilemas da mobilidade é que ela se tornou o próprio objetivo. Há pessoas, por exemplo, que precisam preencher o seu tempo com mil atividades, sobrecarregam-se de funções, de estímulos, de distrações: necessitam estar em constante movimento (rotação, ebulição) sem metas estabelecidas. Esquecem, porém, que a mobilidade possui um princípio fundamental: alcançar um destino.

A grande maioria de nós busca mover com propósito definido de alcançar um lugar especial. Nele, encontramos sossego e calma, proteção, aconchego e companhia. Nele, relacionamos com amor e afeto, sem medo e sem distinção. Nele, cultuamos as tradições, os ideais, os sonhos, os pensamentos dos que vieram antes de nós e dos que estão ainda por vir. Este lugar especial damos o nome de lar

Falaremos mais dele no nosso próximo encontro.

mais sobre:

fale com a redação

quem somos
leitor@diariosm.com.br
(55) 3213-7100
(55) 99136-2472
(WhatsApp)

redes sociais
facebook
instagram
twitter
youtube

 


para assinar
(55) 3220-1717
diariosm.com.br/assinaturas

central do assinante
(55) 3220-1818
(55) 99139-5223
(WhatsApp, apenas mensagem de texto)

para anunciar
(55) 3219-4243
(55) 3219-4249