contatos Assine
opinião

Convém conversar II

04 Janeiro 2018 13:55:00

Não dá mais para tolerar simplistas conversas entre somente os que dizem o que agrada aos nossos ouvidos



Dia desses, em anterior simplório ensaio partilhado com o senhor e com a senhora que nos dão atenção, trouxe, até em exercício de desabafo, a preocupação com a falta de espaço, oportunidade, e, pior, disposição do brasileiro para o debate.

Referi na oportunidade, e volto a fazê-lo, a respeito do verdadeiro e efetivo debate, assim entendido como o respeitoso e acima de tudo franco, por livre defesa de tantas quantas forem as partes e posições debatidas e, mais do que isso, de resultado construtivo ainda que não consensual. Jamais me ative ao que se vê e tristemente se testemunha por aí que, apesar das cores de diálogo civilizado e democrático, não passa de discussão estéril e, pior, desrespeitosa e devastadora de conceitos e reputações.

A ausência da ponderação, da argumentação, da oitiva retilínea, o modismo da gratuita discordância antes mesmo da conclusão de uma oração preliminar, em função da sua autoria ou da sua ideologia, somada à senda exclusiva de vencer o embate momentâneo em lugar do encontro de uma concepção para a coletividade gerou frutos indesejados e amargos.

A lacuna de ideias e posições conscientes (não a mera reprodução das "verdades" dos comprometidos meios de comunicação e sites de notícias obscuros) é solo fértil para a tomada de decisões alicerçais da vida dos que só sabem gritar, sem a menor importância à sua opinião.

Não podemos mais sustentar esse luxo.

O ano que nasceu, como em artigo bem advertiu sua excelência o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil daqui do Rio Grande do Sul, Ricardo Ferreira Breier, é oportunidade histórica que se apresenta ao país para o início de mudança de trajetória. Aliás, o destino sempre foi pródigo com a nação brasileira em concessão de possibilidades de mudanças de destino, mas, infelizmente, a maioria delas se desperdiçou.

A próxima chance vem em forma de eleição que, sim, tem de ser, necessariamente, precedida por debate de verdade. Este, por sua vez, necessita, além de toso o antes indigitado, de muita paciência e respeito.

Não dá mais para tolerar simplistas conversas entre somente os que dizem o que agrada aos nossos ouvidos e expectativas, sem saber se do(s) outro(s) lado(s) não existe intenção tão benéfica e proposta tão eficiente quanto imaginamos serem as daquele candidato com quem nos coadunamos.

A gritaria ao largo da estrada, enquanto a caravana passa, é incompatível com um futuro de vida decente para uma população que sequer consegue conversar entre si sem desconfianças e antipatias.

mais sobre:

fale com a redação

quem somos
leitor@diariosm.com.br
(55) 3213-7100
(55) 99136-2472
(WhatsApp)

redes sociais
facebook
instagram
twitter
youtube

 


para assinar
(55) 3220-1717
diariosm.com.br/assinaturas

central do assinante
(55) 3220-1818
(55) 99139-5223
(WhatsApp, apenas mensagem de texto)

para anunciar
(55) 3219-4243
(55) 3219-4249